Publicações

12/02/2014 13:36

        Domingos Fossari na Casa de Brusque

        No começo dos anos de 1950, o governo federal mandou para Brusque uma equipe de funcionários combater o Anopheles, mosquito transmissor da malária, que botava muita gente na cama, a cada dois dias. No começo, quiseram acabar com as bromélias, os populares gravatás. Depois, possivelmente, pela descoberta do DDT e, também, pela luta do Padre Raulino Reitz, as bromélias foram preservadas da ação predatória movida a facão, foice e fogo, inquisição sem tribunal que queimou montanhas dessas belas plantas. E o combate ao terrível pernilongo passou a ser feito com água e inseticida aspergida sobre as bromélias vicejando no chão e no alto das árvores. Dizem que até helicóptero foi usado.

            Então, apenas alguns exemplares de bromélias e suas exóticas flores eram retirados da mata para estudo, catalogação e serem desenhados a bico de pena ou em aquarelas por Domingos Fossari, artista  e funcionário do Serviço Nacional da Malária. Esse precioso trabalho de arte a serviço da ciência, resultou num conjunto de desenhos das principais espécies de bromélias, publicados nas principais revistas especializadas  em Botânica.

            Além desse importante trabalho para o SNM, Fossari pintou inúmeras telas e aquarelas, destacando-se no cenário artístico como um exímio caricaturista. Neste campo da arte plástica, deixou no papel cartonado a marca do seu traço firme, irreverente e sarcástico, ao retratar os principais personagens da vida política catarinense de sua época. Durante os festejos do Centenário de Brusque, aqui realizou importante exposição, que reuniu dezenas de caricaturas, inclusive de ilustres personagens brusquenses.

            Agora, em parceria com a Família do pintor e com o apoio da Fundação Cultural, a Casa de Brusque está promovendo importante exposição de suas aquarelas, pinturas em telas, desenhos a bico de pena e caricaturas. A mostra é uma homenagem da Entidade fundada por Ayres Gevaerd ao centenário de nascimento do grande artista plástico catarinense, que trabalhou e pintou alguns de seus trabalhos em nossa cidade e aqui se casou com a brusquense Irene Belli .

            Neste começo do século 21, malária erradicada, a obra pictórica de Domingos Fossari sobrevive, bela e imortal, ao seu tempo. O dragão da doença, que fazia tremer de frio e ferver de febre, foi embora, vencido pela fantástica parceria da ciência com a arte criada pelo talento do exímio mestre do desenho a bico de pena. Agora, podemos contemplar, com tranquilidade, a beleza das cores e das formas de suas magníficas obras, enquanto as bromélias crescem e florescem livres em nossa Mata Atlântica. 

            A bela exposição de Domingos Fossari pode ser visitada até o final de agosto, na Casa de Brusque. Você, meu caro leitor, está convidado!

 

Textos Acadêmicos

Publicações

12/02/2014 13:36
        Domingos Fossari na Casa de Brusque         No começo dos anos de 1950, o governo federal mandou para Brusque uma equipe de funcionários combater o Anopheles, mosquito transmissor da malária, que botava muita gente na cama, a cada dois...